Fundos de Crédito Privado em baixa no mês de Outubro. Você já entendeu que esses fundos não são relógio?

 

 

 

O desempenho ruim dos fundos de crédito privado no mês de Outubro serve para abrir os olhos de investidores que fundo de crédito não é relógio. E nem deve ser. Nos últimos anos surfamos um movimento de fechamento de spreads.

Muita demanda, oferta limitada e “achatamento” das taxas. Esse movimento fez fundos de crédito privado entregarem acima do objetivo. Mas o mercado não é tolo. Nos últimos meses vimos ajuste no preço dos papéis e muitos fundos deixaram a desejar.

Movimento normal, mas que assusta muita gente. Fundo de crédito deve sim chacoalhar. E o brasileiro precisa se adaptar com papéis mais longos e maior oscilação. No gráfico, em vermelho, um famoso fundo global. Em azul, um dos maiores fundos brasileiros.

Hoje temos um estoque de 700bi+ em debêntures, com um mercado que roda pouco mais de 1bi/dia. É aqui que mora o problema. Como está posicionado o fundo que você investe? Os papéis tem liquidez? Eles estão adiando a venda dos papéis e vendendo suas posições líquidas ou realizando perda de papéis menos líquidos cujos spreads subiram?

Esse ajuste técnico é benéfico para o mercado. Evidenciando que o risco de liquidez existe e deve ser considerado.

Para o investidor, serve de alerta quanto o comportamento do crédito, que não deve rodar sempre como seu relógio.

 

Rafael Moreno, CEA

Assessor de Investimentos
LinkedIn



Facebook
Twitter
LinkedIn